Cozinheiro Oficial

Já que acabei de descobrir que sou um dos cozinheiros oficiais do Planeta, vou fazer o meu review sobre o Gourmet Recipe Manager

Acabei de incluir todas as minhas especialidades no programa (só não sei porque usei o plural). Como podem ver na figura abaixo, é muito simples inserir a receita (clique para visualizar melhor a imagem):

[Inserindo uma receita]

Depois de inserida, ela aparece de uma forma bem “bacana”:

[Receita inserida]

Finalizando, o programa é bem “supimpa”… Ele permite que você insira informações de preparo, informações nutricionais, ingredientes, imagens e coisas do tipo. E é interessante que se você quiser fazer algumas das receitas ele gera pra você uma lista de compras…

Ah, o mais interessante nisso tudo foi descobrir na página da nissin (que abri para pegar a imagem da receita) que lá existem receitas para fazer miojo…

Interessado em aprender mais sobre o Ubuntu em português?
http://wiki.ubuntu-br.org/ComeceAqui

Camisetas para fazer inveja…

Não sei se você já viu no orkut, mas hoje é meu aniversário. Por isso minha esposa linda me surpreendeu hoje com um presente que eu não esperava:

Presente especial…

Ela chegou com essa caixa com três camisetas nas cores do ubuntu (vermelho, laranja e amarelo). Daí eu pensei: “que legal, ela comprou três camisetas nas cores do ubuntu e guardou em ‘bolinhas’ parecendo o logo do ubuntu”. Até que eu abri a camiseta (olhe abaixo):

Camisetas do Ubuntu

Ela comprou três camisetas “supimpas” e mandou bordar o logo do ubuntu. Na manga ela mandou bordar a frase que está em nossas alianças: “Semper Amemus”, que significa que o nosso amor é para sempre (em latim). Só pra lembrar, minha esposa já tinha me dado o kit quase completo do Ubuntu, faltando apenas as camisetas…

Aproveitando o aniversário, atualizei também o tema do blog, até desfilando uma dessas camisetas no topo… :)

Ah, o rapaz que fez o bordado computadorizado guardou o “molde” e faz outras baratinho entregando a camiseta. Estou pensando em mandar fazer umas e vender.

Pior que pena de morte!

Um americano foi condenado por distribuir o filme Star Wars III antes da estréia e pegou a pena mais cruel que já ouvi falar: Ele foi condenado a usar apenas o Windows!

Nessas horas me pergunto onde estão os direitos humanos.

“O fato de ser monitorado não é o que me incomoda, o maior problema é que terei que reestruturar minha vida com um sistema operacional diferente e com programas diferentes, e isso vai me forçar a comprar programas”, disse o americano ao portal TorrentFreak.

Uma resposta (não requerida) ao Cesar Brod

Tanto o Sérgio Amadeu quanto o Avi Alkalay comentaram sobre o voto inesperado do Cesar Brod a favor do OOXML. Para entender melhor o que se passou pela mente do Cesar, li o que ele escreveu no dicas-l sobre o assunto e também o texto que ele recomendou do Roberto Prado.

Bom, ambos os textos não trazem nenhum argumento novo sobre o porquê apoiar o OOXML. Mas alguns dos argumentos a favor merecem ser esclarecidos.

Concordo com o Cesar Brod de que o fato de a Microsoft ter aberto o padrão e ter decidido utilizar XML seja um grande passo, mas isso não é argumento suficiente para apoiar como padrão. A iniciativa de abrir o formato é que deve ser apoiada.

Disse também que o OOXML veio para manter a compatibilidade com os formatos anteriores. Mas ficou claro que a especificação do OOXML não contém um mapeamento das versões anteriores (binárias) para a atual (XML). Se o novo MS Office possui um conversor de formatos é outra história, estamos cometendo o erro comum de sair da discussão de padrões para a discussão de suítes de escritório. Se for ver pelo programa, o OpenOffice.org permite que você abra arquivos de versões antigas do MS Office e os salve em ODF. Nada muito diferente.

O Roberto prado escreveu o seguinte:

Algumas discussões trazem comparações entre o Open XML com o ODF (Open Document Format). É importante reconhecer que estes formatos foram criados com objetivos bem diferentes e que eles são somente dois dos muitos formatos padrões em uso atualmente, os quais têm suas características ideais para diferentes usuários em diferentes cenários.

Como assim foram criados com objetivos bem diferentes? Só se a explicação for: O ODF foi criado por uma aliança de empresas (da qual a Microsoft fazia parte e resolveu sair) em busca de um padrão para formatos de documentos e o OOXML foi criado apenas para o MS Office. Ironia à parte, não vejo diferenças nos objetivos dos formatos.

Ainda, o Roberto Prado e pessoas a favor têm defendido a liberdade de escolha e competitividade, mas se esquecem que isso fica a cargo dos programas, se for para padrões terem liberdade de escolha então não são padrões, são apenas formatos de arquivos.

Se o objetivo é a interoperabilidade, temos que trabalhar em cima da interoperabilidade. Como vamos alcançar isso com dois padrões?

Mais uma vez, parabéns à ABNT pela seriedade e pela forma que conduziu o processo.

Interessado em aprender mais sobre o Ubuntu em português?
http://wiki.ubuntu-br.org/ComeceAqui

Aberta a temporada de caça a tradutores!

Que é que há velhinho?

Atenção: Queremos eles vivos!

Se você é um apreciador de vernáculos não-tupiniquins, você está convidado a se juntar a uma das mais nobres tarefas em software livre: traduzir programas para nosso belo idioma.

Mas eu não sei programar!

Não se desespere, seus problemas acabaram! Você não precisa entender uma vírgula (ou ponto-e-vírgula) de programação para colaborar no processo de tradução. Que o digam nossos colaboradores advogados, psicólogos ou galãs da novela das oito.

Direto ao assunto:

GNOME-Br

Estamos perto do lançamento do GNOME 2.20 e tudo o que for traduzido até dia 27/08 entrará a tempo do lançamento da versão. Estamos perto de traduzir 100% da interface e, com certeza, aceitamos ajuda.

O processo de tradução é simples. Se você quiser aprender, siga essa dica do Og Maciel, que é rápida e indolor.

O Leonardo Fontenelle escreveu um post sobre o trabalho de tradução/revisão muito bom que vale a pena ser lido.

Traduzindo o Ubuntu:

ubuntu-br

Um mês após o lançamento do GNOME 2.20 será lançado o Ubuntu 7.10. As traduções feitas no GNOME serão aproveitadas, porém existem muitos pacotes que precisam de tradução e estão fora do GNOME.

Neste exato momento, o Launchpad me diz que existem 1348 pacotes, que totalizam 363499 strings (frases), das quais 101705 (27,98%) não estão traduzidas.

A boa notícia

Traduzir para o Ubuntu é muito simples. O pessoal da Canonical (que mantém o Ubuntu) criou uma interface web para tradução, onde você vê uma lista de pacotes, selecionando o pacote você vê uma lista de frases a traduzir e traduz. Suas traduções serão revisadas pela equipe de tradução para entrarem oficialmente no Ubuntu. Para isso, basta registrar-se gratuitamente no Launchpad.

Interface do rosetta

É só preencher e correr pro abraço (e você acaba de ajudar a traduzir o Ubuntu)!

Para entender melhor como funciona, sugiro ler a página do Time de Tradução do Ubuntu-BR e alguns links que estão nela.

Ainda não entendi, mas quero colaborar…

Então mande um e-mail, comentário ou sinal de fumaça que faremos o melhor para situá-lo. O importante é usarmos o software livre em nossa língua pátria…

Interessado em aprender mais sobre o Ubuntu em português?
http://wiki.ubuntu-br.org/ComeceAqui

Notícia engraçada do dia

Vídeo no YouTube identifica ladrão de laptop

[Pantera Cor-De-Rosa]

SÃO PAULO – Uma loja de eletrônicos na Nova Zelândia usou o YouTube para identificar o autor de um furto.

O episódio ocorreu há uma semana, na cidade de Greymouth, quando o gerente da loja notou que um laptop havia desaparecido do mostruário.

O gerente foi então até a sala de segurança e assistiu aos vídeos de monitoramento.

Em um dos vídeos, um homem aparentando uns 50 anos aparece circulando dentro da loja, retirando o laptop do mostruário e o ocultando embaixo de seu casaco. O gerente da loja editou o vídeo com a trilha sonora da animação A Pantera Cor de Rosa e o publicou no YouTube.

Em menos de uma semana, o vídeo teve 500 mil acessos pelo mundo. Graymouth é uma cidade pequena, com apenas 12 mil habitantes, o que facilitou o reconhecimento do acusado de furto. Um dos moradores da cidade, que conhecia o suspeito, ligou para a polícia local e forneceu seu endereço.

Segundo o jornal New Zealand Herald, o homem, de 50 anos, admitiu culpa e fez um acordo com a promotoria local. Além de devolver o laptop, o homem pagará multas à loja e à Justiça local, além de sofrer restrições para viajar. O acusado, no entanto, não foi preso.

Felipe Zmoginski, do Plantão INFO

Como não colocaram na reportagem, fucei no youtube e achei o vídeo em questão. Me disseram também que isso passou na record.

Me diga uma razão para aceitar o OOXML

Docs

Já publiquei aqui antes um post falando sobre as razões para dizer “não” ao OOXML (formato de documentos da Microsoft encaminhado para se tornar padrão). As razões são claras, mas ainda tem gente insistindo em votar pelo OOXML.

Então vamos ver a coisa de outra forma. Gostaria de pedir que me dêem pelo menos uma razão do porquê utilizar OOXML ao invés do ODF.

Eu até sou capaz de entender que as pessoas tenham medo de largar o MsOffice e mudar para o OpenOffice, mas essa NÃO é a questão aqui. <atualização>Aproveitando o que o Pedro Martins disse nos comentários, pra deixar bem claro que a guerra não é entre os programas OpenOffice e MS Office, outros programas usam o formato ODF, como StarOffice e KOffice, entre outros.</atualização> Estamos falando de um padrão para formatos de documentos que TODOS os programas deveriam implementar. Estamos falando de um padrão para que a troca de informações através de arquivos seja possível a todos, não importa o sistema operacional ou programa de escritório.

Agora, se é para aceitar um padrão que se faça decentemente. Um padrão deve ser livre para que não seja uma única empresa que dite as regras, um padrão deve ser simples de ser implementado (o que não é o caso do OOXML).

Mais uma vez recomendo o post que comentei acima, sobre as razões para dizer “não” ao OOXML. E mais uma vez peço que me digam um único motivo pelo qual eu deveria usar OOXML ao invés do ODF.

Como disse o ASF:

Do br-linux: