Melhorando a experiência com o Unity

Já comentei em outro post que eu gosto do Unity. Mas também não o acho perfeito. E muita gente pegou birra e desistiu dele…

Na minha opinião, se implementassem 2 recursos de personalização já diminuiria muito a rejeição:

  1. A possibilidade de deixar o menu lateral fixo – Muita gente se irrita com esse menu (por ficar oculto… por ficar aparecendo quando chega o mouse no canto… por não ficar exibindo os programas abertos…). Ele fixo resolveria algumas dessas questões.
  2. A possibilidade de mudar o local do menu – Muita gente ficaria feliz e satisfeita de poder colocar o menu no topo ou na parte de baixo da tela (até daria um visual um pouco similar ao Windão 7)

Bom, como ainda não estão disponíveis essas opções, existe um programa bacana (antigo, mas agora até me chamou mais a atenção), cuja intenção era aproveitar o visual do dock do Mac: o docky

Para instalar, basta clicar neste link, ou encontrá-lo na Central de Programas do Ubuntu como docky mesmo.

Por padrão, ele aparece assim:

Ele exibe para você os programas que estão abertos no momento (além de outras coisas).

Ele é bem configurável, permitindo auto-ocultar (ou não), deixar em Modo Painel (ocupando toda extensão), deixar uma aparência 3D…

Uma dica bem simples, mas pode ser útil.

O Ubuntu foi ultrapassado no Distrowatch por… outro Ubuntu

Eu sempre fiquei impressionado pelo fato de o Ubuntu ter sido lançado em outubro de 2004 e a partir de abril de 2005 já estar no topo da lista do Distrowatch que faz um levantamento das distribuições mais usadas. E ele permaneceu sempre no topo… Até agora.

Vi no BR-Linux que o Ubuntu finalmente foi ultrapassado, mas o que é curioso é que foi ultrapassado justamente por uma distribuição derivada do próprio Ubuntu, o Linux Mint.

É sempre difícil dizer com certeza a razão para isso, mas existem diversas causas prováveis.

O Ubuntu se deu bem entre usuários comuns por sempre focar em ser um sistema simples, com boa usabilidade e com um bom leque de opções de programas para os usos mais variados. E essa ainda é uma das preocupações principais. Mas as recentes mudanças na interface e a transição para um novo paradigma causaram certo espanto em muitos usuários.

Desde que eu comecei a usar o Ubuntu, resolvi usá-lo na forma em que é oferecido, sem grandes alterações e personalizações, para acompanhar o que a maioria dos usuários tem em mãos. Porém a minha reação foi diferente quando vi o Unity e as novas funcionalidades. Pensei: “Wow! Isso vai deixar muito mais rápido e agradável o uso do computador”.

Como assim? Primeiro, o esforço para usar o máximo da área disponível do monitor. Depois, um menu onde não preciso ir até as aplicações, mas só bater em uma tecla e digitar um pedaço do nome. Ainda, um menu que automaticamente me dá atalhos de teclado para as principais aplicações, sem que eu precise configurar…

É claro que nem tudo são flores na vida de Joseph Climber… Confesso que algumas mudanças de atalhos, algumas funcionalidades perdidas e alguns bugs no Unity me incomodam… Mas tenho pra mim que o ganho vale a pena (e estou feliz em ver que a equipe está em cima para ir melhorando de forma rápida).

E o fato de ter sido ultrapassado pelo Linux Mint é um indicativo de que o problema principal não é o Ubuntu, e sim as mudanças. As mudanças vêm. Adaptações precisam ser feitas. O que será do Linux Mint quando chegar a hora de eles atualizarem essa parte?

Bom, eu estou ansioso pelo 12.04. O ciclo já está à toda e muita gente boa está comprometida com o projeto… E bora resolver o Bug #1 do Ubuntu, que não tem o seu problema com outras distribuições, mas a ideia é espalhar a liberdade…

André Gondim

É difícil escrever esse post, mas é preciso deixar uma homenagem ao André Gondim. Fiquei sabendo pelo twitter, depois confirmei pelo facebook dele. Ele faleceu hoje, devido a complicações em sua saúde. Não sei muitas informações ainda.

O André Gondim foi um dos que mais contribuiu ao Ubuntu-BR, vinha liderando o conselho e o time de tradutores há um bom tempo. Eu sempre brincava com ele dizendo que ele era um “devorador” de strings não traduzidas. Até para ir ao Latinoware eu conversei com ele dizendo que na palestra ia ter um “overview” sobre o Ubuntu-BR, daí ele me disse: “Como tradutor, eu queria pedir para você mudar isso para uma ‘visão geral’ do Ubuntu-BR”. :)

Não vou conseguir escrever mais, mas estamos muito sentidos aqui no UDS.

Mais sobre ele:

Launchpad: https://launchpad.net/~andregondim
Site: http://andregondim.eti.br
Facebook: https://www.facebook.com/andregondim
Twitter: https://twitter.com/#!/andregondim

UDS-P: Participe à distância

Eu falei em outro post sobre o Ubuntu Developer Summit que está acontecendo de 31/out a 4/nov.

Uma coisa que não comentei é que você pode participar das discussões à distância. Cada sala de encontro tem microfones para que você possa ouvir o que está rolando e também um telão exibindo um canal do IRC para que vocês possam contribuir pelo IRC.

Pelo horário de Brasília, o evento acontece todos os dias das 11h às 20h, com horário de almoço das 15h às 16h. Vendo pelo site, some 2 horas e terá o horário de Brasília…

Informe-se da programação em http://summit.ubuntu.com/uds-p/, conecte-se à rede Freenode e entre no canal da sala onde está rolando a discussão. Vai ser algo como #ubuntu-uds-antigua-1

Estou com problemas para enviar as fotos (também para escrever em tempo de execução), mas logo mando relatos e fotos.