tux_ubuntu_mint

O Ubuntu foi ultrapassado no Distrowatch por… outro Ubuntu

Eu sempre fiquei impressionado pelo fato de o Ubuntu ter sido lançado em outubro de 2004 e a partir de abril de 2005 já estar no topo da lista do Distrowatch que faz um levantamento das distribuições mais usadas. E ele permaneceu sempre no topo… Até agora.

Vi no BR-Linux que o Ubuntu finalmente foi ultrapassado, mas o que é curioso é que foi ultrapassado justamente por uma distribuição derivada do próprio Ubuntu, o Linux Mint.

É sempre difícil dizer com certeza a razão para isso, mas existem diversas causas prováveis.

O Ubuntu se deu bem entre usuários comuns por sempre focar em ser um sistema simples, com boa usabilidade e com um bom leque de opções de programas para os usos mais variados. E essa ainda é uma das preocupações principais. Mas as recentes mudanças na interface e a transição para um novo paradigma causaram certo espanto em muitos usuários.

Desde que eu comecei a usar o Ubuntu, resolvi usá-lo na forma em que é oferecido, sem grandes alterações e personalizações, para acompanhar o que a maioria dos usuários tem em mãos. Porém a minha reação foi diferente quando vi o Unity e as novas funcionalidades. Pensei: “Wow! Isso vai deixar muito mais rápido e agradável o uso do computador”.

Como assim? Primeiro, o esforço para usar o máximo da área disponível do monitor. Depois, um menu onde não preciso ir até as aplicações, mas só bater em uma tecla e digitar um pedaço do nome. Ainda, um menu que automaticamente me dá atalhos de teclado para as principais aplicações, sem que eu precise configurar…

É claro que nem tudo são flores na vida de Joseph Climber… Confesso que algumas mudanças de atalhos, algumas funcionalidades perdidas e alguns bugs no Unity me incomodam… Mas tenho pra mim que o ganho vale a pena (e estou feliz em ver que a equipe está em cima para ir melhorando de forma rápida).

E o fato de ter sido ultrapassado pelo Linux Mint é um indicativo de que o problema principal não é o Ubuntu, e sim as mudanças. As mudanças vêm. Adaptações precisam ser feitas. O que será do Linux Mint quando chegar a hora de eles atualizarem essa parte?

Bom, eu estou ansioso pelo 12.04. O ciclo já está à toda e muita gente boa está comprometida com o projeto… E bora resolver o Bug #1 do Ubuntu, que não tem o seu problema com outras distribuições, mas a ideia é espalhar a liberdade…

21 opiniões sobre “O Ubuntu foi ultrapassado no Distrowatch por… outro Ubuntu”

  1. André, acho que o Unity não foi uma boa escolha para a Canonical. O Ubuntu vai perder mais usuários do que ganhar com a nova interface. Uso só Ubuntu no meu notebook desde a versão 8.10 e definitivamente não gostei do Unity. Na verdade acho o Unity extremamente irritante e improdutivo. Posso estar errado e talvez (embora ache difícil isso acontecer) um dia eu me renda e passe a usá-lo com mais frequência mas a verdade é que prefiro ambientes mais minimalistas e que ocupem o mínimo espaço na tela. Por isso estou usando uma combinação de Gnome/OpenBox com uma dock awn centralizada no topo como lançador de menus. Gosto da área de trabalho limpa (tanto que não tenho quase nenhum ícone solto nela). A Canonical vai ter que melhorar muito o Unity para que mais usuários passem a considerar usá-lo.

  2. André, depois que também li a notícia no Br-Linux, tive a mesma impressão que a sua. E quando chegar o momento de o Mint passar por suas mudanças, como ficará? Vejo que o Ubuntu com Unity não está dando um salto no escuro, muito pelo contrário, eles sabem muito bem o destino que querem dar ao Linux e como fazê-lo. Nada é por acaso. Outro observação que tenho é que somente aqueles que são usuários de nível médio a avançado é que reclamam do Unity. Tenho apresentado o Ubuntu 11.10 para vários leigos e depois de um tempinho usando-o dizem: Uau.
    Abraços e espero que continue com o sucesso do seu site.

  3. Temos que deixar claro que esta notícia está sendo divulgada de maneira distorcida. O site Distrowatch utiliza os acessos e o sistema de quem fez o acesso para contabilizar a quantidade de usuários de um sistema Linux.
    Tendo esse dado em mãos fica fácil saber que o número deles não é de usuários, mas sim de acessos ao site.

  4. Jurava de pe junto que o linux mint era derivado do debian e nao do ubuntu!!! acho q isso inclusive vem bem descrito em sua home oficial…

    Abracos,

  5. O LinuxMint tem versões baseadas no Debian e no Ubuntu, mas o Mint começou com o Ubuntu apenas, há pouco tempo que saiu o LMDE (LinuxMint Debian Edition).

  6. Acho que a Distrowatch não é um bom parâmetro para a pesquisa sobre uso, mas é certo que muitos – como eu – fomos procurar alternativas ao Ubuntu-unity, e ai o mint cresceu.
    Corroborando com o Esdras, instalo o ubuntu em máquinas de “leigos” que gostam da nova versão.
    Eu vejo problemas, por exemplo, no unity nas telas que não são widescreen, na falta de utilitários pré-instalados para customizá-lo ao seu tempo e interesse. Mas o que mais me irrita é não ver os vários programas que tenho aberto e acessá-los de forma rápida. Quando estou escrevendo um texto, consultando a internet e preparando um mapa ou esquema para o texto, o unity é um saco!
    Instalei o Mint, mas ele tem problemas de travamento e velocidade que o Ubuntu não tem. Na versão 11.10 estou testando uma nova composição: instalei o Ubuntu, fiz algumas modificações na barra (principalmente o tamanho), e instalei o lxde (não o Lubuntu). Estou usando os dois, gostando mais do Unity e estou muito impressionado com o lxde.

  7. Eu realmente não sei o que acontece com o pessoal dos sites do Ubuntu: Planeta, Ubuntu Dicas, Ubuntero, etc!!!

    Me parece que todos acreditam que o Unity é um novo “Deus” a ser venerado (e quem não estiver satisfeito vai queimar no fogo do inferno!).

    Estou vendo que todos temem dizer algo contra o Unity, a não ser a mesma coisa de sempre: “ainda vai melhorar com a correção dos bugs…” (até quando????)

    Putz, eu realmente não acredito que alguém veja algum ganho de produtividade nesse Unity!

    Até concordo que ficou bonito e que o Ubuntu se diferenciou das outras distros, mas foi apenas isso: beleza e nada mais…

    A Canonical realmente fez um sistema perfeito pra funcionar num tablet! Eu tenho um Ipad2 e concordo que o Unity ficaria perfeito nele! Mas nunca num Desktop ou Laptop…

    Eu mesmo uso o Desktop com pelo menos 6 a 10 janelas abertas e dispostas em 2 ou 3 áreas de trabalho. Quando estou no Unity, é realmente irritante saber onde está aquele aplicativo que abri… não sei sequer em que área de trabalho estou, se na 1ª, na 2ª ou na 3ª… sinceramente perdi a paciência e mudei essa semana pro Kubuntu.

    Acho que relatório da Distrowatch é apenas mais um exemplo do tamanho da insatisfação dos usuários com o Ubuntu… talvez o único lugar em que os usuários tenham voz, pois em todos os blogs é um pecado mortal falar algo contra o Unity…

    E o pior de tudo é que a segunda opção de uso é o Gnome 3, que é praticamente um Unity mais estável…

    Se todos vão continuar a venerar o Unity e o Gnome3, eu fico com a opinião do próprio Linus Torvalds, que em um artigo declarou que o Gnome3 (cópia do Unity) é um retrocesso…

    O Linus passou a usar o Xfce e eu vou ficar mesmo com o Kubuntu (por falta de opção).

    Aliás, nos últimos tempos a filosofia dos blogueiros e da Canonical tem sido essa: se não está satisfeito, mude, porque não vamos voltar atrás!

    Ainda bem que o Linux é livre (no verdadeiro sentido da liberdade) e nos permite mudar para outras distros…

  8. Uso o Ubuntu des da versão 8.04…
    Comparando essa mudança do visual com a época que era usuario Windows…

    Me lembra bastante a mudança do Windows 98 para o XP…
    Tudo sumiu. A tela deixou de ser cinza. Eu fiquei mais perdido do que cego em tiroteio…

    Embora um pouco perdido, eu gostei do Unity, conforme a galera for recebendo o Feedback ele vai evoluir e ficar muito bom…

    Minha única queixa, ate agora, é que estou sofrendo pra colocar um lançador para o Aptana na barra lateral kkkkkkkk

  9. Acho que um dos erros do Ubuntu, que pode ser em parte responsável por essa insatisfação dos usuários é exatamente esse famoso “Bug #1”, “Microsoft has a majority market share”.

    Essa não é uma mentalidade construtiva, não foca no usuário, e sim nos outros. Com isso o Ubuntu se propõe a ser simplesmente a negação do produto e dos valores da Microsoft, ao invés de ser uma entidade própria, com méritos próprios. Uma mentalidade infantil, marrenta.

  10. Eu posso dar a minha parte da explicação, já que fui um dos que trocaram o Ubuntu pelo Mint: Mataram o Ubuntu com aquele interface estranho e horroroso! Talvez quem usa o Linux para “brincar” ou “estar na moda” consiga se adaptar aquela coisa medonha, mas quem usa Linux há 15 anos como eu e tem um deployment de 350 máquinas na empresa, muitas delas a ser utilizadas por “utilizadores burros”, uma mudança dessas só me trouxe problemas. Não tenho nada a criticar sobre a robustez da distribuição, daí ter optado por outra com o mesmo sabor, mas o Unity… Damn!!

  11. Ai que tá, o que ninguém ve é o simples fato de que você não precisa atualizar, isso é uma escolha sua, todos já estavam informados da mudança, e outra, não gostou é só instalar o gnome!

    Eu já rodei várias distros e cansei de em todas elas sempre ter algum problema, e na hora de buscar como arrumar sempre achar “no ubuntu é só fazer isso, tenta fazer ai tb” “só dar esse comando no ubuntu” e por ai vai, até gosto de personalizar e configurar as coisas, mas é mto tempo perdido, quero instalar e usar, não perder tempo configurando tudo! E os programas, na maioria qdo não tem repositório, tem no sie deles um .deb ou .rpm!

    Após rodar procurando uma distro igual o ubuntu onde eu tinha que me preocupar em usar assim como é no windows, não achei! Não rodei pelas grandes do tipo suse, que são mais parrudas, tenho vontade de voltar pro meu Arch, por ele ser rápido, mas sempre me lembro das dificuldades dele, de ter que configurar tudo, de ter que colocar qual modulo subir, ter que ficar compilando driver e por ai vai!

    Talvez de mais uma chance pra ele, até eu passar por tudo isso e cansar, querendo ou não ubuntu é uma das principais que tem mais suporte a drivers e ajustes para os vários tipos de máquinas!

  12. Testei o LMDE por um tempo, e achei interessante, mas foi aí que senti o poder do Ubuntu. Um usuário mais antigo disse: o Ubuntu e um vicio, cedo ou tarde sempre voltamos pra ele”.
    Achei a maior verdade, as coisas são muito mais fáceis no Ubuntu. Quando o unity se estabilizar acho q as pessoas darão valor a ele. Acho a idéia ótima.

  13. Ubuntu, Mint, Fedora, Debian, Mandriva, Arch, OpenSuse…., garlera, isso tudo é Linux, é liberdade de escolha, de utilização, de distribuição, de adaptação, personalização, de tudo que a gente quiser e souber fazer!!!!!! Que bom que o Mint, cuja versão principal é derivada do Ubuntu, está atraindo tanto a atenção das pessoas e um grande número de novos usuários. Essa “competição” (entre aspas porque, na verdade, é falsa, já que todas as distros de Linux são, na verdade, LINUX) é totalmente saudável e positiva, porque vai fazer com os caras das grandes distros citadas no começo desse texto se esforcem cada vez mais para fazer o melhor para os seus usuários. Eu, por exemplo, gosto de experimentar distribuições e versões novas a todo momento, mas sempre acabo voltando para a minha distro favorita, que é o Ubuntu, mas sem desmerecer o trabalho de ninguém, porque não há razão para isso. Que bom que há tanta gente boa dispendendo tempo, esforço e até dinheiro para produzir software de qualidade e – que maravilha!!!!!! – de graça e para todo mundo. Como pode alguém ainda reclamar disso?????????? Concordo que o Unity representa uma mudança drástica de paradigma para utilização de um computador pessoal e até desisti dele por algum tempo após ter apanhado bastante com o lançamento do 11.04. Mas agora, com essa nova versão, notei uma tremenda diferença e estou usando direto desde o lançamento no mês passado. Está atendendo todas as minhas necessidades com folga e o desempenho também está muito bom. Acho que alguém aqui já “cantou a pedra” quando disse que o Unity parece incomodar mais os usuários intermediários e avançados do que os novatos. Instalei o 11.04 no notebook da minha sobrinha (20 anos) em abril e lembro-me de ter dito a ela, que já estava acostumada com o Gnome 2x, que poderia fazer uso do “fallback” ou do KDE, que também instalei pra ela, caso não se acostumasse com o Unity. E não é que ela adorou a nova interface do Ubuntu e tá utilizando até hoje?!!!!! Como veem, existe Linux de todos os sabores para atender a todos os gostos. “Brigar” por causa disso é uma tremenda bobagem. Sigamos em frente, que em abril de 2012 tem o Precise Pangolin, que deve vir tinindo de tão redondo, principalmente por ser uma versão LTS com cinco anos de suporte no Desktop. Que venha o 12.04!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  14. Com certeza a decisão do Ubuntu pelo Unity tem afastado usuários. A migração destes para o Linux Mint deve-se não ao fato de sua versão principal ser baseada no Ubuntu, mas por esta ainda trazer o Gnome 2.32 (não é a toa que a versão LMDE, baseada em Debian testing, é uma das mais baixadas). Mas claro, essa versão do Gnome será descontinuada pela equipe de desenvolvedores. Mas já existe uma equipe que desenvolve o MATE, que é um fork do Gnome 2.32.
    O Linux Mint 12 trará atualização para o Gnome 3 mas com uma camada em cima de sua área de trabalho que permitirá uma usabilidade próxima à do Gnome 2.x. Eles denominam essa camada de MGSE.
    Uma das mais recentes novidades do Gnome 3 é sua independência à GPU, o que permitirá seu uso normal em hardware sem aceleração gráfica. Mas é algo que ainda está em desenvolvimento. Mas isso pesará muito na decisão de muitos usuários quanto ao Unity.
    De qualquer forma, a pretensão para o Linux Mint 12 é de se ter Gnome 3 com MGSE e a opção para o MATE.
    Eu, do meu lado, ainda prefiro continuar usando meu Debian, sempre na versão stable, com a certeza de que sempre tenho um sistema seguro e estável. Que venha o Gnome 3!

  15. Estão fazendo um auê por causa dessa informação que o Linux Mint ultrapassou o Ubuntu…

    Vamos aos fatos reais:

    O único lugar que o Linux Mint ultrapassou o Ubuntu foi no número de visualização de página da distribuição no site do DistroWhatch por um determinado período, essa é a única verdade, conforme pode ser observada na FAQ do DistroWhatch http://distrowatch.com/dwres.php?resource=faq#phr, aonde eles explicam como é feito o ranking, aonde eles mesmos colocam que esse ranking não significa que a distribuição é mais usada, e sim a que chamou mais atenção (foi mais acessada) em um determinado período.

    A pessoa ou agência que iniciou a divulgação dessa comparação não se prestou nem para ir atrás e ver como é feito o ranking, para então sim ter um embasamento real e passar uma informação correta. Esses tipos de pessoas e empresas só querem fazer barulho, provocar polêmica, #FATO.

    Com certeza o Ubuntu é hoje a distribuição Linux mais popular (observando vários fatores: número de usuários, fóruns, blogs, comunidade), e chegou nessa colocação graças aos esforços de uma empresa (Canonical), juntamente com a grande e ativa comunidade do Ubuntu.

    Ubuntu para todos!

  16. Muito bom André, eu mudei para o Mint a pouco tempo, estou gostando muito.O Unity me desanimou cheio de bugs e trabalhar com varias janelas com ele era inviável, perdia-se muito tempo.Abraços


  17. cafrj:

    Jurava de pe junto que o linux mint era derivado do debian e nao do ubuntu!!! acho q isso inclusive vem bem descrito em sua home oficial…
    Abracos,

    existe duas versões do Linux Mint, a baseada no ubuntu e a baseada no debian chamada LDME.

    Eu prefiro a versão LDME por ser mais estavel, não preciso instalar uma nova versão, apenas instalar atualizações.

    sem falar que ainda usa o gnome 2

  18. O Unity é ruim, esse conceito de que por que os monitores são wide a interação é wide está errado e os ‘gurus’ vão perceber isso daqui uns 5 anos… Os monitores passaram a ser wide por causa de filmes e jogos, a interação continua sendo com scrolll vertical páginas web tem layout vertical, textos tem layout vertical, o monitor é wide mas o usuário põe 2, 3 programas lado a lado. A interação é vertical simples assim. A insistência no launcher lateral e nas demais ‘horizontalizações’ são erros mas o efeito desses erros é piorado pela insistência da Canonical em dificultar o usuário de usar um layout semelhante ao antigo, belo exemplo de liberdade… Nem escolher a orientação do Launcher o usuário pode.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *